Como anda o mercado da odontologia no Brasil?


É discutível a quantidade de vagas no mercado de trabalho para os cirurgiões-dentistas no Brasil. Existem aqueles que defendem com garras e unhas que o país está saturado desses profissionais e não mais devem abrir novos cursos, porém existem os de mente mais positivista que alegam que há vaga para todos, basta se destacar. 

Vamos primeiramente analisar a situação da quantidade de faculdades no Brasil. Todos os gráficos a seguir utilizados nessa matéria, são de autoria do Conselho Federal de Odontologia (CFO). 

Como podemos ver nessa imagem ao lado (caso não consiga ler, clique na foto para ampliar), possuímos, até a data atualizada desta informação do CFO, 220 faculdades que disponibilizam o curso de odontologia no Brasil. Se formos analisar a quantidade de formandos a cada ano, teremos um número bastante de novos cirurgiões-dentistas inseridos no mercado de trabalho brasileiro, aumentando ainda mais a concorrência entre os profissionais que já estão no mercado, muitos desses, desempregados. Hoje, em 2016, algumas novas universidades foram inserindo o curso de odontologia no país, aumentando ainda mais a injeção de novos dentistas no país, causando, inclusive, descontentamento de alguns colegas de profissão, que veem de forma injusta a liberação, por parte do Ministério da Educação e Cultura (MEC), de novos cursos no país. Porém, devemos primeiramente, pensarmos de forma humanizada, e entender que a abertura de novos cursos no país dá oportunidades a mais pessoas de realizarem seu sonho de se tornarem dentistas e instiga o mercado a se qualificar e entregar um trabalho cada vez melhor, devido a concorrência em alta.

Atualmente, segundo esta imagem ao lado do CFO (clicar para ampliar), existem cerca de 280.746 dentistas registrados no Conselho. Ou seja, se analisarmos os números, comparando a quantidade atual de brasileiros registrados, que segundo o IBGE/2013 são cerca de 200 milhões de indivíduos, e dividirmos esse número pela quantidade de cirurgiões-dentistas que temos atualmente no país, temos um número médio de 714 pessoas para cada profissional no país. Este eu considero um número razoável, tendo em vista que muitos colegas desse número são especialistas em suas determinadas áreas.

Então podemos notar que mesmo que o número de colegas seja bastante elevado, e a cada ano mais cerca de 1.000 novos sejam adicionados a lista, a população também vem aumentando, e a busca por atendimento especializado cresce junto com esses números. Então, caro aluno e caro dentista, existe vaga e paciente para todo mundo, porém não devemos ser apenas mais "um dentista" e sim "o dentista", apresentando qualidade no serviço, bom caráter, bons relacionamentos, atendimento de excelência e preços que valorizem o seu trabalho (pois preços deveras baixo apenas desvaloriza nossa classe). E não devemos aceitar trabalhos quase que escravos, por salários baixos. Mostrem que o seu preço é fidedigno ao serviço que você oferece, e nenhum cliente (a maioria pelo menos) irá reclamar. Seja diferente, seja o agente transformador da sua zona de trabalho, seja profissional, seja O  MELHOR.

Forte abraço!
-Por: Victor Hugo Rebouças



Sobre Victor Hugo Rebouças e Daniella Allende:

Acadêmicos do curso de odontologia da Universidade Potiguar, em Natal/RN. 🔸 Victor é o fundador e presidente da Liga Acadêmica de Odontologia Estética do Rio Grande do Norte e possui experiência em marketing voltado para a odontologia e redes sociais. É o autor-responsável do site O Dentista Acadêmico. 🔸 Daniella é aluna do último período da faculdade e conta com experiência em divulgação odontológica em mídias sociais. É sócio-autora do site O Dentista Acadêmico.